Páginas

domingo, março 22, 2009

Deliberadamente

Deliberadamente,
pedi asilo ao sorriso,
quando olhaste para mim.
Lançaste o último dado
no jogo da sobrevivência
que em mim vês habitado.
Deliberadamente,
enviei-te a esperança,
como audaz perseverança
no salto do trampolim
a efectuar sem mim.
Deliberadamente,
indiquei-te um caminho
possível, plausível, viável,
onde por certo
encontrarás o sentido,
há muito, em ti desejável.

maria eduarda

6 comentários:

Anabela Magalhães disse...

Linda poesia, linda rapariga... és tu, Dudú?

didium disse...

Sim, sou, fui...

solange disse...

És!!!
Continuas uma linda rapariga, com uns aninhos mais, mas sempre jovem.
Um poema, sem dúvida, lindíssimo. Queres dar-me umas aulas de escrita criativa???? :)

G. Ludovice disse...

Em tudo bela...

didium disse...

Só mimos!
Mimos da Anabela, colega que me conhece das nossas conversas pelo blog dela; da Sol, que está sempre a lisongear-me, e tu Gaby, que já conheço desde miúda.
Obrigada. Começarei a semana muito melhor, sem dúvida. Também vos digo a todas, que neste momento,preenchem-me os dias.
Bjo

Anabela Magalhães disse...

Beijocas grandes nas tuas bochechinhas, daqui para aí...