Páginas

sexta-feira, maio 22, 2009

O sonho do escravo



Passeio por um caminho solitário.
Desfruto do ar, do sol, dos pássaros
e do prazer de ser levado pelos meus pés
Para onde quer que eles me levem.
De um lado do caminho
encontro um escravo a dormir.
Aproximo-me e descubro que está a sonhar.
Pelas suas palavras e expressões adivinho…
Sei o que sonha:
O escravo está a sonhar que é livre.
A expressão do seu rosto reflecte paz e serenidade
Pergunto-me…
Devo acordá-lo e mostrar-lhe que é apenas um sonho
para que saiba que continua a ser um escravo?
Ou devo deixá-lo dormir o tempo todo que puder,
desfrutando, nem que seja apenas em sonhos,
da sua realidade fantasiada?

Jorge Bucay "Deixa-me que te conte"

8 comentários:

solange disse...

Resposta difícil, heim?!
O melhor é deixá-lo dormir. Enquanto sonha, é livre e feliz, crê que afinal, à sua roda, só há gente boa.
Quando acordar, aceitará a escravidão como um intervalo na felicidade sonhada.
É difícil pensar o que é melhor para os outros, quando, às vezes, nem sabemos bem o que é melhor para nós.

dinamene disse...

Então, se o escravo continua a sonhar, como sairá da escravidão?

Só poderemos mudar uma difícil realidade se tivermos consciência dela, ou não?

dinamene disse...

Tb é verdade que, mais tarde ou mais cedo, o escravo acabaria por acordar…

didium disse...

Deixai-o dormir!

:D

G. Ludovice disse...

Quem é que gosta de despertadores a invadir outras realidades?

didium disse...

Ninguém gosta, Gabi! Acho eu!

dinamene disse...

Que durma, então ;)

didium disse...

Mas afinal, deve sonhar ou não?