Páginas

terça-feira, maio 05, 2009

Em Plena Vida e Violência

Em plena vida e violência
De desejo e ambição,
De repente uma sonolência
Cai sobre a minha ausência.
Desce ao meu próprio coração.
Será que a mente, já desperta
Da noção falsa de viver,
Vê que, pela janela aberta,
Há uma paisagem toda incerta
E um sonho todo a apetecer ?

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro

3 comentários:

solange disse...

Porque sou contra todas as formas de violência, as físicas, as psíquicas, as verbais e as não verbais!!!

didium disse...

Me too!
Como sempre, um poema pessoano lindo!
Bjs

Lita disse...

Poema fanbuloso!
Beijinhos.