Páginas

quinta-feira, abril 30, 2009

Arrojo

( pitanga)
Há palavras ausentes
que precisam de espaço
para silabadas serem,
num tempo que as requer
audazes, significantes.
Mesmo soletradas ao ouvido,
cativas do mesmo sonho,
a desvendar, desabrido,
em texto desnudado
para ser entendido.
Algumas, mais ligeiras
entreabem-se à vida,
e dela são apanágio
na forma mais apetecida.
É preciso sair do aconchego,
destapar-lhes os sons,
aflorarem aos lábios,
dar-lhes voz, altivez,
proferi-las de uma só vez.

maria eduarda

2 comentários:

EMD disse...

Animar as palavras, é o que fazes, com justificado arrojo.

didium disse...

Obrigada por me leres!