Páginas

quarta-feira, outubro 21, 2009

Nebuloso Medo

Encontrava-me num daqueles momentos, raros na vida, em que chegamos ao fim de um caminho e poucas opções temos mais que seguir em frente, mesmo que de olhos semi-cerrados.
A passos do cartaz que dizia “dia 15, atira-te de cabeça”, lembro-me da angústia que sentia, da vontade de andar para trás, de fugir na direcção contrária. Olhava timidamente para os lados e não via nada mais a não ser neblina e, em frente, apenas nevoeiro. Nas minhas costas estava uma vida, de alguns sobressaltos e quase sempre feliz, ainda incompleta…
O Medo pode turvar-nos a visão, poderá por vezes assombrar-nos, fazer-nos sombra nebulosa.
Mais perto do mergulho no desconhecido (porque nem todas as mudanças na vida são escolhas planeadas ou pensadas, há escolhas que são urgências, mudanças que se impõem), comecei a vislumbrar finos raios luminosos, indicando-me subtilmente que do lado de lá não estava o fim temido, apenas luz, luz branca e colorida, como na vida.
Fui… Aceitei… mergulhei no, já menos denso, nevoeiro!
Ri-me, sentindo a certeza do meu pulsar… Neste caminho novo que percorro, sinto a vida num trilho largo, longo, até lá onde a vista não alcança…

Para trás do cartaz, medo e sombra, nadas que agora são passado.


Dinamene

3 comentários:

didium disse...

Pois claro! Não havia dúvida de que esse nevoeiro se dissiparia.
Bjs

Lita disse...

Este texto é delicioso! Maravilhoso,luminoso, como tu!
Amo-te muito.

dinamene disse...

Didium,
Um abraço
Bjo


Lita,
... Este texto tem muito de um mail que me enviaste e que me ajudou a dissipar parte do nevoeiro ;)

Tu, sim, luminosa!
E agora deves estar brilhar a dobrar, com a Luana redondinha em ti...

Bjos