Páginas

quinta-feira, outubro 22, 2009

A minha raiz


Atravesso a vida

assim, como navegante

em águas revoltas,

ou águas serenas.

E remo, sempre,

braço condizente

com a vontade aliciante

de, na água que flui,

me rever nela,

e concluir

que no meu reflexo,

sou o que sempre fui!

maria eduarda

7 comentários:

Anabela Magalhães disse...

Que beleza! Continuo a identificar-me muito com a tua poesia!
Beijinho

didium disse...

Ainda bem que assim é!
Fico lisonjeada!
Bjs

solange disse...

És tal e qual, como descreves!!!
Desejo que navegues sempre em águas serenas, mas quando elas estiverem revoltas, faremos um esforço para continuar a navegar. Também sinto a profundidade da tua poesia, que em mim encontra eco.
Obrigada por nos dares um pouco de ti e nos ajudares, ainda que com palavras. E que força têm as palavras!
Bjo

didium disse...

Sol, também tu me dás força com as tuas palavras!

Raul Martins disse...

Sim, tenho raízes angolanas com "reflexo" naquilo que sou e "o que sempre fui".
.
Acredito que te tenhas comigo cruzado pelo blogue da Anabela na altura da primeira fase do meu blogue... a ver vamos esta segunda fase... de mansinho... de quando em vez...
.
Obrigado pela visita.
.
Carpe diem!

bugsnaEDucação disse...

Um destes dias deixei um comentário que se deve ter perdido. Dizia qualquer coisa como LINDO!
Querida Dudú, espero que as águas "vuelvan a su cauce" depressa, porque o braço e a vontade também se cansam. Não fossem as raízes...
Muitos beijinhos e força

didium disse...

Obrigada também pela visita, Raul.

Elsa, cá continuamos, sempre com muita força!
Um beijinho para ti.