Páginas

segunda-feira, outubro 19, 2009

Ao pai

Não é a tua mão, filha
que eu levo na minha mão
é uma raiz
que eu planto em mim mesmo.

António Reis, “Palavras de Cristal”

3 comentários:

G. Ludovice disse...

Lindo e Estranho.. precisamente hoje sonhei c o meu pai e uma das características fortes do sonho era ele ter a minha mão na sua.. !!??

solange disse...

Que sonho bom!!! Sonhos desses, a dormir ou acordados, são-nos necessários.

Nessa noite, depois de colocar esse pequeno texto, escrevi um comentário enorme, sobre o meu pai. Mas, distraída, deixei que o PC começasse a fazer actualizações, encerrou, reiniciou e eu fiquei sem o comentário. Paciência, pensei, tenho é que dormir. E dormi bem, sem sonhar.

Recordo-me pouco do que escrevi. Relembrava, no entanto, a história do bobo que, condenado à pena de morte, teve a "sorte" de poder escolher o modo como queria morrer. Muito rápido, respondeu ao rei que "de velhice".
E reflectia sobre o que é, como é, morrer de velhice. Se sem sofrimento, como o fim certo e esperado, aceitável. Mas ir perdendo a visão, a audição, a capacidade de andar com autonomia, mantendo toda a lucidez, sem prazer, parece-me uma crueldade.

didium disse...

É uma tremenda CRUELDADE!

Bjo