Páginas

quinta-feira, abril 08, 2010

Memórias

imagem google

Abro o livro
das memórias,
e soletro o teu nome.
Abre-se o tempo
no brilho do teu olhar,
e revejo-te sorrindo.

Trazes uma flor
em jeito de oferta,
em sinal revelador,
do segredo ao ouvido,
de uma prova de amor.

maria eduarda

3 comentários:

Bravo disse...

Olá vizinha das planícies e dos calores abrasadores.
Gostei do seu poema. O amor é poesia interior projectada nas palavras.

Um abraço

didium disse...

Obrigada.E às vezes quão difícil é projectar nas palavras, o verdadeiro sentir!
um abraço

solange disse...

Que liiiinnnndo! Tão bom voltar aos tempos de "menina e moça"!!! Tão importante, o amor, em todos os tempos. :))
<3