Páginas

quinta-feira, julho 02, 2009

Felicidade Eterna

Antigamente todos os contos para crianças terminavam com a mesma frase, foram felizes para sempre, isto depois de o Príncipe casar com a Princesa e de terem muitos filhos.
Na vida, é claro, nenhum enredo remata assim. As Princesas casam com os guarda-costas, casam com os trapezistas, a vida continua, e os dois são infelizes até que se separam. Anos mais tarde, como todos nós, morrem.

Só somos felizes, verdadeiramente felizes, quando é para sempre, mas só as crianças habitam esse tempo no qual todas as coisas duram para sempre.

José Eduardo Agualusa, in 'O Vendedor de Passados'

4 comentários:

Ademar Oliveira de Lima disse...

Estive por aqui em visita ao seu blog para me inteirar do seu trabalho! Abraço Ademar!!

didium disse...

Um abraço desta equipa Ademar!

G. Ludovice disse...

O instante é a nossa pátria!!Talvez a eternidade seja uma espiral dentro do instante.

didium disse...

Talvez a eternidade seja viver na nossa pátria...