Páginas

sexta-feira, agosto 28, 2009

Nunca nos separamos do primeiro amor

in: http://olhares.aeiou.pt/clones_foto2595704.html


Já o disse em Hiroshima Mon Amour: o que conta não é a manifestação do desejo, da tentativa amorosa. O que conta é o inferno da história única. Nada a substitui, nem uma segunda história. Nem a mentira. Nada. Quanto mais a provocamos, mais ela foge.

Amar é amar alguém. Não há um múltiplo da vida que possa ser vivido. Todas as primeiras histórias de amor se quebram e depois é essa história que transportamos para as outras histórias.
Quando se viveu um amor com alguém, fica-se marcado para sempre e depois transporta-se essa história de pessoa a pessoa. Nunca nos separamos dele. Não podemos evitar a unicidade, a fidelidade, como se fossemos, só nós, o nosso próprio cosmo.
Amar toda a gente, como proclamam algumas pessoas e os cristãos, é embuste. Essas coisas não passam de mentiras. Só se ama uma pessoa de cada vez. Nunca duas ao mesmo tempo.

Marguerite Duras, in "Mundo Exterior "

7 comentários:

G. Ludovice disse...

O primeiro amor é cada amor, só assim é amor.

Anabela Magalhães disse...

Não concordo. :)

didium disse...

É a opinião de Marguerite Duras.
Opinem se faz favor.
Penso que o primeiro amor marca pela paixão da adolescência, por ser isso, o primeiro.Pela descoberta e pelo fascínio. Há pessoas que ficaram sempre unidas ao primeiro amor.
O verdadeiro amor é marcado pela maturidade,pela certeza, pela partilha, é único. Às vezes esse amor termina, acontece um novo amor e as descobertas são outras, e a paixão repete-se, mas é sempre única.

G. Ludovice disse...

Segundo os orientais só existe realmente o presente, o resto é o que é, algo feito sombra na mente, uma ilusão na concha das mãos, uma tentativa de "revidar" isso, mas nunca isso. O primeiro amor é o instante em que amas.. porque nada se repete e se estás atento à vida, tudo é uma primeira vez, (não se entra duas vezes no mesmo rio.. Heraclito)e isso, é maravilhoso!!

didium disse...

Subscrevo Gabi!

dinamene disse...

Belíssimo comentário, Gabi. Realmente todos os amores são “o primeiro”, únicos e inesquecíveis, …
Estamos sempre a descobrir o Amor, sim, maravilhoso...

solange disse...

Ainda ontem, em conversa com o meu filho, ele citou precisamente essa frase. Realmente,nada se repete, "não se entra duas vezes no mesmo rio". Cada momento é único e irrepetível, por isso há que aproveitá-los, um a um, saboreando o melhor que cada momento nos traz, rejeitando os menos apetecíveis.