Páginas

domingo, fevereiro 14, 2010

O silêncio

Silence

Fabio Calvetti

O silêncio é um bem raro e precioso. Nos dias que correm, o estilo de vida e o ritmo vertiginoso em que vivemos tornam difícil encontrá-lo, quer estejamos a falar de silêncio interior ou exterior.Infinito na sua potencialidade e riqueza, o silêncio reveste-se de múltiplas dimensões.

Para um árabe, por exemplo, estar em silêncio dentro de um grupo de amigos nada tem de chocante, uma vez que isso faz parte da sociabilidade e do seu código de comunicação, onde o silêncio é sentido como um prazer sereno.

Os ocidentais, por seu lado, incomodam-se com os longos silêncios dos japoneses, desorientam-se, irritam-se ou questionam a atitude. A este propósito, Marc Smedt, autor do livro O elogio do silêncio, afirma que "se soubéssemos viver na calma deste silêncio, os nossos assuntos avançariam mais rapidamente, uma vez que os japoneses ponderam, avaliam e tentam perceber intuitivamente o que se encontra por detrás das palavras."


Inês Menezes, revista XIS, in Público, 16-10-2004 (adaptado)

2 comentários:

blackhill disse...

Também preciso de silêncio ... imagino mais depressa do que falo e o silêncio dá-me espaço interior e tranquilidade à minha emotividade.

G. Ludovice disse...

seguramente tenho uns genes árabes.. mas um amigo ocidental disse-me que entre amigos quem n fala n é lembrado; fiquei a pensar se seria verdade e acho q nem por isso. Existem histórias nos silêncios..