Páginas

quarta-feira, março 21, 2012

Vacilar

Talvez me invente
em canções,
trauteadas por ti.
Talvez queira ser
a denúncia da vida,
quando não me olhas.
Talvez de ti
venha o som
do arrufar de tambores
em busca de mim.
Talvez eu vá,
breve ou adiada,
num gesto, ou alada,
rever a beleza
da sinfonia
que sempre tocaste.


maria eduarda

3 comentários:

Armando Soares disse...

O eco das memórias tempera-nos as palavras, que degustamos sem pressas.

Andy disse...

lindo, verdadeiramente contagiante!
:-) as águas infinitas acompanham o poema...
beijos!

solange disse...

Que bonito, querida amiga!!!
Continuas em força. Je t'adore.
Bisous <3.